Astral
HistóriaGerais

Raízes Espíritas em Barbacena


Barbacena se encontra entre as pioneiras da divulgação do Espiritismo em Minas Gerais, e ao nos aprofundarmos nas pesquisamos, perceberemos que uma grande parte dos fundadores dos grupos iniciais estavam vinculados à ´Central do Brasil’. A Doutrina Espírita viajava pelas estradas de ferro – com os ferroviários; pelos caminhos empoeirados – com os caixeiros viajantes; e chegava de cidade em cidade através daquelas pessoas que se mudavam constantemente e eram seus adeptos. Mas aqui, na cidade das rosas, entre um café, um negócio ou um cigarro, as questões filosóficas que sempre torturaram as criaturas (De onde venho? O que estou fazendo aqui? Para onde vou?) surgiam; dai o ensejo para apresentar as questões propostas por Kardec aos espíritos.

Em um dos livros mais completos sobre a história de Barbacena, encontraremos informações importantes sobre a doutrina dos espíritos em nossa cidade. O grande pesquisador Nestor Massena, em seu livro – Barbacena: A Terra e o Homem, diz que:

O Espiritismo tem muitos adeptos em Barbacena. Allan Kardec tem aí inúmeros prosélitos.

E mais a frente relata sobre o espiritismo existente em Barbacena no século XIX:

O Grupo Espírita União Fraternal de Barbacena, manteve, em 1897, uma Escola Noturna, foram, nesse ano, Presidente, Eduardo Magnin, Te¬soureiro, Alfredo Ferreira Paes e o Secretário, o Capitão Agostinho Lopes de Oliveira.

Dos espíritas de Barbacena, teve, em seu tempo, grande relevo entre seus companheiros de crença: Modesto de Araújo Lacerda, pai da professora Maria Lacerda de Moura, natural de Barbacena, escritora espiritualista, que teve grande projeção em nossa vida intelectual.

Foi na década de 20 que encontramos um aumento no número de interessados pela Doutrina dos Espíritos e entre eles, estava um entusiasta: José Abrantes Júnior, ou carinhosamente – Zezinho Abrantes.

“Em março de 1926, na cidade de BARBACENA, a Rua Thomaz Gonzaga, nº 90, reunidas às famílias de: José Abrantes Júnior, sua esposa e filha Julieta Nazareth Abrantes; Joaquim Alves Coelho, sua esposa D. Rosa Santos Coelho e suas filhas – Léa Santos e Alvarina Santos; Guilhermina da Conceição, Arthur dos Santos, Silvio Mattos e Catharina Santos, reuniram-se para orar em benefício a Arthur Santos...”

Assim começa Zezinho Abrantes, no Histórico do Grupo Astral Paraíso do Bem, que consta na primeira ata do grupo datado de fevereiro de 1929.

Sabemos que o grupo inicialmente chamava-se GRUPO ESPÍRITA ASTRAL PARAÍSO DO BOM CORAÇÃO DE JESUS, porém o nome deixava transparecer resquícios da igreja ancestral. Para uma melhor conformidade com os princípios espíritas o nome foi mudado para GRUPO ESPÍRITA ASTRAL PARAÍSO DO BEM. Este grupo que começou na casa de Dona Rosa Santos Coelho e Senhor Joaquim. E com a presença de Zezinho Abrantes, ganha enorme vitalidade, vindo a se tornar um referencial para época. Tamanha sua importância, que manteve um órgão de divulgação da doutrina através de seu informativo O ATALAIA (que teve seu primeiro número em 1938, sendo o primeiro órgão de divulgação de espiritismo de nossa região).

O jovem Francisco Cândido Xavier esteve em Barbacena na década de 30, tendo oportunidade de psicografar três mensagens, uma de Emmanuel, outra de Anthero de Quental e outra de Camilo Martins na sede do Grupo Astral.

Neste grupo promovia-se a evangelização da criança e do jovem através da Aula de Iracema, que teve como presidente a senhora professora Lea Santos Dias, futura esposa de Zezinho Abrantes. O trabalho de Evangelização do Grupo Astral recebeu destaque no Reformador no ano de 1933. Digno de nota é o Departamento de Assistência Social ´João Bosco´, que era anexo à Escola Evangélica. Fundado em 21 de outubro de 1948, tinha a finalidade de distribuir enxovais aos recém-nascidos pobres, fazendo visitas aos carentes levando amparo material e moral, além de elaborar relatórios detalhados das visitas, faziam fichas de matrícula e aplicavam vacinas, como a BCG. Tendo um quadro sócio de cooperadores, obreiras e médicos. O Departamento de Assistência Social ganhou identidade própria e formou o Instituto João Bosco, ampliando seus trabalhos ao longo dos anos e se apagando na década de 70.

Pioneiro na organização das atividades espíritas, o grupo Astral se destacou também na manifestação cultural espírita – realizando diversas apresentações teatrais em Barbacena e região; seus líderes se comunicavam com todo o movimento espírita brasileiro – trocando correspondências; desenvolvia um trabalho significativo na área de receituários e curas espirituais; foi o principal grupo no auxilio de formação de novos grupos espíritas, bem como a base inicial da Aliança Municipal Espírita de Barbacena. O grupo funcionou por muitos anos na Praça Conde de Prados e no auge de suas atividades, se tornou um referencial, visto que muitos o buscavam no intuito de receber auxílio dos bons espíritos. Suas reuniões, semelhantes a todos os grupos da época, davam um enfoque maior ao aspecto mediúnico, embora houvesse um estímulo ao estudo, a evangelização e prática da caridade.

Nas últimas três décadas suas atividades diminuíram e quase chegaram ao fim, mas de 2007, novos trabalhadores das lides espiritistas vem reorganizando os trabalhos e o espaço deste grupo histórico para o espiritismo de Barbacena.

E no dia 27 de fevereiro de 2013, o Grupo ASTAL reabre suas portas, com novas instalações para poder continuar escrevendo a história do espiritismo nas terras barbaceneneses.

PALESTRA: Jesus e a Transformação Moral, com Eduardo Maluf (JF) às 19h30min, à Rua Tomaz Gonzaga, 330, Boa Morte, Barbacena – MG.

Direção do Grupo Espírita ASTRAL Paraíso do Bem